Mobilidade urbana: A rua é nossa

4 de novembro de 2014 por na categoria Sustentabilidade com 0 e 0

Já nem lembro a última vez que entrei num carro e girei a chave para ir a algum lugar. Mas lembro de quantos ‘bom dia’ recebi ontem, quando fui caminhando para a feira. Ou daquela sensação deliciosa de descer a ladeira de bike, indo para o trabalho, com o vento batendo na cara.

Parece discurso de gente deslumbrada, riponga. Mas nem é. Carro, hoje, invariavelmente me remete a engarrafamento e prisão. Penso em bike e caminhada e as palavras que me vêm à mente são exatamente opostas: liberdade e trânsito fluido. Não é difícil entender porque tenho escolhido a segunda opção.

E não estou sozinho. Com a Semana de Mobilidade batendo à porta, resolvemos reunir um grupo de pessoas que não costuma ser incluído nos debates sobre mobilidade urbana: as crianças. Perguntamos a elas como imaginam que seria uma rua dos sonhos – dá uma olhada no vídeo fofíssimo ali em cima!

Elas não querem algodão doce no lugar do asfalto nem tapetes voadores. O que elas querem é muito prático: mais árvores para caminhar na sombra, mais espaço para brincar, mais flores para dar cor às cidades. Querem ruas menos agitadas, onde há espaço inclusive para carros. Numa rua dos sonhos, tem que caber todo mundo.

É nessa pegada que vários países celebram, em 22 de setembro, o Dia Mundial Sem Carro. No Brasil, a iniciativa começou em 2001 e a cada ano arrasta mais pessoas para fora dos veículos. Mais gente que desliga o motor e consegue enxergar – e construir – cidades mais saudáveis, diversas, democráticas. E mais gostosas de viver.

por Bernardo Camara, do Greenpeace

* Publicado originalmente no site Greenpeace.

© 2014 - VITALE INTEGRAL ~ Desenvolvido por Toulouse Comunicação